Da mala pra rua,

Toys&Omik: do muro para o guarda roupas

Foi em 1993 que o grunge ganhou a atenção da passarela, quando Marc Jacobs, que mantinha-se no topo dos ícones da época, fez um de seus desfiles mais polêmicos e utilizou o movimento grunge como inspiração.

À época, Nirvana, Pearl Jam e Sonic Youth ganhavam cada dia mais ouvintes e fãs adeptos do estilo que foi marcado por camisas de flanela, coturnos, botinhas, camisetas de banda, toucas e também peças grafitadas.

O início do grunge na moda vai de muito muito antes deste desfile e, na realidade, se deu na década de 1980 nos subúrbios de grandes metrópoles americanas. Mas foi ali, pelo olhar de Jacobs, que a grande massa aceitou pagar mais caro em peças antes consideradas baratas. Estamos em 2017 e até hoje  assunto divide opiniões das mais diferentes formas. Entretanto, na temporada e outono&inverno de 2016 algumas marcas europeias retomaram o grunge como tendência e apostaram em peças grafitadas.

Em Brasília temos uma série de lojas e nomes que investiram na tendência de jaquetas grafitadas. O ParkShopping convidou a dupla de artistas brasilienses Toys e Omik para uma série de customização de peças cedidas por clientes. Nos meses de maio e junho, os sábados dos artistas aconteciam na Sala de Estilo do shopping. Na contramão, era necessária a doação de cinco peças de roupas usadas e em bom estado.

Quis fugir da tendência de jaquetas grafitadas um pouco e entreguei ao Toys um chapéu de flanela. O resultado foi além do esperado e ficou do jeito que eu (nem sabia) que queria!

Toys e Omik possuem um ateliê localizado no Guará. Sobre isso, spoiler alert: vai rolar entrevista sim.

Agradecimentos à Global Street Fashion pelo óculos e a Bruna Carone, quem faz as cordinhas de suporte a mão e revende na lojas Hoy Ahoy! e Arara Fashion.

nenhum comentário

autor

EDITORA DE CONTEÚDO

Deixe uma resposta!

Siga @bnm.etc

Instagram has returned invalid data.