48 horas de,

48h de São Paulo

Não é atoa que São Paulo é chamada de selva de pedra. A cidade, com mais de 12 milhões de habitantes, abriga uma extensa variedade de coisas para fazer – e tem para todo o gosto.

Sampa é aquela cidade extremista: existe tudo de tudo e em muita abundância. É legal pensar nisto no começo, mas na hora “H”, é difícil escolher para onde ir. Por isso, fiz uma curadoria de lugares irados para se conhecer – desde os ponto turísticos óbvios –  em até 48h. Relógio cronometrando? Então bora lá!

Dia 1

Alô, bom dia! Dormiu bem? Então comece a caminhar. Para o café da manhã, a sugestão é a Padoca do Mani (Rua Joaquim Antunes, 138). Diferente de alguns lugares – ao menos de Brasília – a coisa do café em Padoca por lá é bem comum. Sentar ali, pedir um cafézinho, ler um jornal e ir embora. De manhã você encontra pães espaciais, café, suco e tudo que tiver direito pra se sentir princesa. O lugar também vai te ajudar a pensar na vida (enquanto faz o quilinho, né).

REPRODUÇÃO

Feliz? Então que tal um passeio pela cidade mais urbana do Brasil? No perfil Streets of Sao Paulo é possível encontrar uma série de murais e lojas que podem ser visitadas. Em São Paulo, qualquer caminhada traz alguma urbanice positiva!

REPRODUÇÃO | FACEBOOK

No meio do passeio, recomendo dar uma olhadinha no Largo da memória e Obelisco. Para contar sua história voltaremos na São Paulo de 1814, quando o governo determinou a construção de uma nova estrada para facilitar a comunicação do interior paulista com a cidade. Tão logo foi incumbido desta função, o engenheiro Daniel Pedro Müller propôs não apenas a criação da estrada, mas também a construção de um largo no alargamento das ladeiras da Palha e do Piques.

A ideia era que juntamente deste largo, também fosse construído um chafariz e de um obelisco dedicado “a memória do zelo do bem público”. Enquanto o monumento seria um marco para a cidade, por ser o primeiro da cidade, o chafariz serviria não apenas para fornecer água aos moradores no entorno do largo, mas também para que burros e cavalos ao adentrar a cidade pela nova estrada pudessem se reestabelecer da longa jornada. É claro que o plano foi morrendo com os anos, mas o Patrimônio Histórico foi restaurado em 2014 – e você já tá podendo ir dar uma visitadinha!

REPRODUÇÃO | PREFEITURA DE SÃO PAULO

Andar cansa, né? Já está pensando no almoço? Bem, então será que você sabia que dentro do Theatro Munincipal de São Paulo existe um restaurante para lá de chamativo? Chama-se Santinho e conta com um buffet de R$ 48 (a vontade) no almoço e com sobremesa! Bom demais para ser verdade, né? As reservas podem ser feitas online!

REPRODUÇÃO | UOL

Depois deste almoço regado à arte, vale a pena se bandidar para um Museu. Eu, como viciada em arte contemporânea, logo recomendo o MAM (Museu da Arte Moderna de São Paulo – Av. Pedro Álvares Cabral, s/n° – Parque Ibirapuera, São Paulo)

Aproveitando que já está no Ibirapuera, se aventure nas bikes do Itaú e explore um pouco o que todo esse verde em meio a tantos prédios pode oferecer. Se joga!

REPRODUÇÃO | CVC

Cansou? Vamos de comida então. Logo descendo a rua Augusta, você enxerga uma portinha com o número “162”. É que no 2º andar está a Hamburgueria 162, um dos melhores hamburgueres que já provei na cidade. O lugar é pequeno e com cardápio gourmetizado. Vale a pena provar sim! (R. Luís Coelho, 162 – Consolação, São Paulo).

Se o seu negócio for boteco, te coloquei então na rua certa. Sirva-se na Augusta!

REPRODUÇÃO | FACEBOOK

Dia 2

Se você for do boteco (eu sou, confesso) já sabe que acordar na hora do café da manhã é um pouco sacrificante. Mas sem problemas! Aí vão as dicas mesmo assim. Acordou? Beleza. Já caminha para R. Bianchi Bertoldi, 130 – Pinheiros. Lá fica o Sofá Café, onde você aprende a diferença de grãos, formas de servir e mais um bocado de coisa que para os leigos (euzinha) são extremamente impressionantes.

REPRODUÇÃO | INTERNET

Hora dos passeios, novamente. Os meus roteiros são sempre mais culturais e buscam sempre esbarrar em galerias e museus. Assim encontrei a, La Mínima Galeria de Arte. A galeria fica localizada dentro de um corredor em uma casa de artistas. Ou seja, você vai, conhece o dono, conhece as obras, passa rapidinho em um corredor e sai cheio de sabedoria.

Vale a pena? Vale demais! Anota aí: Av. Pedroso de Morais, 822, Pinheiros.

Aproveite a vibes artes e aproveite que está passeando pelas redondezas e conheça também a Biblioteca Alceu Amoroso Lima e o Museu da Casa Brasileira.

MUSEU DA CASA BRASILEIRA | REPRODUÇÃO: VEJA

Para o almoço e/ou lanche da tarde (tudo depende de quando você andou e quanto tempo gastou, né?), recomendo o Café Bistrô Cereja Flor. A patisserie não tem só as taças de sobremesa mais tentadoras do Brasil, mas também um menu pra lá de especial de delícias como a costelinha assada ao molho de barbecue – essa pode saber que eu recomendo! Se vale a Pena? Ô…

REPRODUÇÃO | GUIA DA SEMANA

Depois acho uma boa um rolê pelo Mercado Municipal Eng. João Pedro de Carvalho Neto (R. Pedro Cristi, 89 – Pinheiros). Não, gente. Bater perna pelo mercado municipal não é só comer! Lá você descobre diversos encantos, especiarias e até música ao vivo. Vale a pena conhecer sim!

Depois, se der tempo – e eu realmente espero que dê – vá até a Estação da Luz se deliciar um pouco com o mantimento de uma arquitetura tão antiga.

REPRODUÇÃO | NORTEANDO VOCÊ

Cansou? Corre para o descanso. Se não cansou, segue o baile das caminhadas.

São Paulo sempre te leva a algum lugar!

nenhum comentário

autor

EDITORA DE CONTEÚDO

Deixe uma resposta!

Siga @bnm.etc

Instagram has returned invalid data.